Ex Dekasseguis que retornaram com a ajuda dos 300 mil, tem que esperar a liberação da imigração japonesa

Brasileiros reclamam da demora para obter o visto de reentrada para o JapãoDesde 15 de outubro, quem recebeu a ajuda de 300 mil ienes para voltar ao Brasil, está autorizado a pegar o visto de reentrada para o japão. Mas as condições têm inibido os candidatos.

Paulo foi um dos 20 mil brasileiros que aceitaram a ajuda do governo japonês na época da crise.

Desempregado, ele recebeu 300 mil para retornar ao Brasil, com uma condição: não entrar no Japão enquanto o governo não permitisse a reentrada dos ¨beneficiados¨ pela ajuda.

¨Eu realmente voltei com a ajuda, na época eu, minha esposa e meu filho. E se Deus quiser, vou voltar sim,¨disse Paulo Sussumu Okama Junior para o JPTV.

¨Nós demos a entrada no visto e três semanas depois, ficamos sabendo que a imigração entrou em contato com a empresa onde a pessoa vai trabalhar. E até agora não tivemos mais nenhuma novidade sobre isso, estamos aguardando,¨revela Cori Passos, que trabalha em uma agência de recrutamento.

Para conseguir a reentrada é necessário apresentar: contrato de trabalho de no mínimo um ano quando for solicitar o visto nos consulados do Japão.

E esse esta sendo o problema da grande maioria que deseja retornar

¨ No Japão, os contratos são renovados a cada dois, três meses para quem já está lá trabalhando,¨alerta Cori Passos.

O programa de ajuda ao retorno atendeu mais de 21 pessoas no total. A maior parte dominada pelos brasileiros, cerca de 20 mil, os peruanos que deram entrada pedindo a ajuda na época da crise não chega a mil.

Cerca de 5.500 saíram de Aichi, outros 4.300 de Shizuoka e pouco mais de mil na época residiam em Mie, Shiga e Gunma.

Uma parte corre agora para conseguir os documentos para a volta ao Japão. Nessa lista de vistos estão também os sanseis, os netos de japoneses.

O brasileiro Bruno Yokoyama Eufrasio morou durante 18 anos no Japão, e foi ao Brasil cinco anos atrás para se casar.

¨Me deu uma vontade, mais uma saudade dos pais que estão no Japão trabalhando, e como me casei, decidimos ir para o Japão e conseguir uma vida melhor para mim e minha esposa.¨

Os planos tiveram que ficar um tempo estagnados.

¨A dificuldade foi mexer com a papelada, autenticar, a maior demora foi eles liberarem o visto, não falaram nada, simplesmente não estavam liberando o visto,¨reclama Bruno. ¨Esperamos cerca de três meses.¨

O cônsul japonês em São Paulo, Noriteru Fukushima, diz que não há nada de anormal na expedição dos vistos para sanseis.

¨Normalmente para pedir visto para o Japão precisa seguir alguns regulamentos, mas isso é comum e com novo regime, estamos trabalhando junto com governo de Tóquio por isso está caminhando.¨

Bruno e sua esposa conseguiram embarcar, e agora dão os primeiros passos para a realização do sonho em Gifu e outros ex dekasseguis querem fazer o mesmo.

¨Voltei por motivo familiar, se não teria ficado lá, porque prefiro lá do que aqui., ¨diz o ex dekassegui, Milton Okino. ¨Vou me segurar até março, para poder voltar pra lá.¨

Segundo analistas, o Japão continua precisando de muita mão de obra para o setor produtivo.
Fonte: IPC Digital