Cerca de treze porcento da comunidade nikkei formada por um milhão e meio de pessoas, é de yonsei

Visto de trabalho para o Japão

Os brasileiros desapareceram das fábricas, deixando as vagas para outros estrangeiros do sudeste asiático. Segundo dados do governo, o número de filipinos cresceu 10% e o de vietnamitas, cerca de 40% em todo o Japão.

A comunidade brasileira fez o inverso. Em meia década, encolheu de 313 mil para 190 mil pessoas.

A queda mais acentuada foi registrada em Hamamatsu. A cidade que tinha o maior número de brasileiros, 20 mil, hoje tem a metade.

A maior parte das pessoas voltou para a terra natal. Só que agora, elas querem retornar para o Japão.

Jorge faz parte do grupo de 20 mil brasileiros que foi para o Brasil com os 300 mil ienes oferecidos pelo país na época da crise.

¨Fiquei desempregado, e gastei todo o dinheiro que eu tinha pagando aluguel e todas as despesas, foi indo, foi indo, e não tive mais jeito¨, disse o ex-operário Jorge Massao Sheno.

Por ter recebido a ajuda financeira, Jorge ficou impedido de dar continuidade à história de 20 anos como operário no japão.

No Brasil, ele trabalhou em um estaleiro de pernambuco e como motorista em São Paulo. Diz que vai voltar à vida de operário, agora que conseguiu o visto de retorno para o Japão.

¨Apesar de tudo, eu gosto de lá. Por isso eu falo, eu me arrependo muito de ter pego essa ajuda, de ter voltado, se não já estava lá faz tempo¨.

Muitos colegas preferiram entrar na fila do seikatsu hogo – o auxílio subsistência.

¨Mas eu achei que eu ficando lá, pegando dinheiro do governo, não vai ficar pior? O custo para o governo não sairia maior do que pegar os trezentos mil e voltar?

O retorno dos ajudados com os trezentos mil foi liberado cinco meses atrás. Mas pouca gente, menos de uma dezena, conseguiu embarcar.

¨Você encontra dificuldades na emissão do visto no Brasil, encontra dificuldades na contratação no Japão, então para o pessoal que pegou ajuda, está sendo meio complicado retornar¨, afirma Cori Passos, do shigoto.com.br.

O contrato de um ano é apenas uma das exigências.

O Consulado de São Paulo também pede seis comprovantes de residência, além de fotos de infância e registros de quando o candidato morou no japão.

Grande parte das consultas que o consulado recebe são dos bisnetos de japoneses.

Cerca de treze porcento da comunidade nikkei formada por um milhão e meio de pessoas, é de yonsei.

É um número que cresce, mas eles só podem entrar no Japão se for como dependente dos pais.

¨A quantidade de gente que está procurando é muito grande. E hoje, o cadastro das pessoas que querem viajar ao Japão, a gente vê que o pessoal que é nissei são pessoas tudo acima de 60 anos, e os sanseis estão chegando perto disso. Por isso as fábricas poderiam pensar em contratar yonsei, e tem que liberar isso desde já. Não adianta liberar quando a idade passar¨, diz Cori Passos, do shigoto.com.br.

Grupos no Brasil e Japão vêm se mobilizando para fazer campanha pela liberação do visto para os yonseis.
Fonte: IPC Digital