Dados do Consulado Geral do Japão em São Paulo são de 2014 a 2016

emissão de vistos
A emissão de vistos para descendentes de japoneses poderem vir trabalhar no Japão cresceu 145% entre 2014 e 2016. O dado é do Ministério das Relações Exteriores, com base nos números fornecidos pelo Consulado Geral do Japão em São Paulo. As informações são do jornal “Estadão”.

Para se te uma ideia, em 2016 foram emitidos 11,5 mil vistos. O ponto mais baixo de emissão deste documento foi em 2009, com 1,7 mil vistos. Em 2015 foram 8,1 mil e esse número vem crescendo.

O visto em questão é concedido somente aos filhos e netos de japoneses, além de seus companheiros e dependentes.

A partir de julho será permitida também a vinda de descendentes de quarta geração, os yonseis, desde que atendam certos critérios estabelecidos pelo governo do Japão, como o domínio básico do idioma japonês.

Os yonseis que pretendem vir trabalhar no Japão devem, segundo exigências governamentais, ter entre 18 e 30 anos de idade, dominar o básico do japonês (compreender pelo menos 1,5 mil palavras) e vir sozinhos (sem acompanhamento de parentes). O visto valerá por um ano, com possibilidade de renovação para cinco.

O cônsul do Japão em São Paulo, Takuo Sato, informou que o número total de certificados, que atestam os critérios necessários para o visto, emitidos no mundo, será de 4 mil por ano. “Essa quantidade poderá mudar de acordo com a demanda”, afirma.

Até o ano de 2007 o número de brasileiros descendentes de japoneses só crescia. Naquele ano, a comunidade era composta por 313,7 mil pessoas. Após a crise financeira mundial, em 2008, o número caiu para 309,4 mil, e decresceu até 2016, chegando ao ponto de ter 180,9 mil brasileiros. A reação iniciou em 2017, ano que registrou a presença de 190,3 mil brasileiros no Japão.

Se na maior parte do período do chamado movimento decasségui os brasileiros vinham em busca de estabilidade financeira, hoje essa nova leva de trabalhadores chega também em busca de segurança e qualidade de vida, itens que têm faltado no cotidiano do Brasil.

Uma vez no Japão, os brasileiros conseguem empregos em geral em fábricas de eletrônicos, autopeças e alimentos. As províncias onde se concentram os brasileiros são Aichi (52,9 mil), Shizuoka (27,4 mil), Mie (12,6 mil), Gunma (12,4 mil) e Gifu (10,5 mil).
Fonte: Alternativa

Anúncios