You are currently browsing the category archive for the ‘Visto japonês’ category.

Aos cidadãos brasileiros que vão viajar ao Japão (os consulados do Japão no Brasil estão emitindo o visto de múltiplas entradas com a finalidade de curta permanência, com período máximo de permanência de até 90 dias e validade de até 3 anos)

visto japao multiplas entradas

Os cidadãos brasileiros que desejam viajar ao Japão podem solicitar o visto com a finalidade de curta permanência de: uma entrada, duas entradas ou de múltiplas entradas.

Conforme o resultado da negociação entre os Governos do Japão e do Brasil, a Embaixada do Japão, os Consulados-gerais e os Escritórios Consulares do Japão no Brasil estão emitindo os vistos de múltiplas entradas com a finalidade de curta permanência, com período máximo de permanência de até 90 dias e validade de até 3 anos, desde que atendam os requisitos necessários para a emissão.

Caso houver interesse, informe-se sobre os documentos necessários. (clique no link abaixo):
Visto de múltiplas entradas
Visto de uma ou duas entradas

Valores das taxas de visto (válido até o dia 31 de março de 2018)
– Visto de uma entrada: R$97,00
– Visto de duas entradas: R$194,00
– Visto de múltiplas entradas: R$194,00
Fonte: Consulado Geral do Japão em São Paulo

Anúncios

Sabia que em alguns os casos descendentes de japonês de quarta geração (yonsei) podem subir uma geração e se tornar terceira (sansei)?

SANSEI OU YONSEI

Existe muita especulação em cima da liberação do visto de longa permanencia para quem é descendente de japonês de quarta geração, porém existem casos em que este descendente mesmo sendo (yonsei)  se torna sansei, ou seja, elegível ao tão sonhado visto de trabalho no Japão, mas não existe quase nenhuma informação sobre isso.

  • A primeira possibilidade é para quem tem os avôs que nasceram no Brasil até novembro de 1925 sendo filho de japonês nato pode pedir ao consulado para “subir uma geração”. (explicarei detalhes em outro post)

  • A segunda posssibilidade é quem tem o avô ou avó que mesmo sendo nascido no Brasil depois da data acima, mas que tenha sido registrado no Consulado do Japão no Brasil até três meses após o nascimento, pode ser considerado sansei, por que? Porque todo filho de japonês nascido no brasil e registrado no consulado até três meses após o nascimento se torna dupla nacionallidade, fazendo com que o yonsei se torne, sansei.

Claro que para se conseguir transformar a sua geração em sansei tem que começar a mexer em documentos e isso gera custos, por isso, se informe primeiro antes de sair gastanto dinheiro sem garantias de resultado positivo.

Boa sorte

Cori Passos
cori@vistojapones.com.br

WP_20170401_09_25_49_Pro (2)

O partido liberal democratico através do Sr. Jiro Kawasaki ex-ministro do trabalho e saúde, que atualmente lida no setor de incentivo de mão de obra no Japão, entregou ao Sr. Kato Katsunobu, atual ministro do trabalho japonês, uma proposta para que o yonsei (descendentes de quarta geração) possa ter a oportunidade de trabalhar no Japão bem como a expansão das oportunidades de emprego para os idosos. O Japão esta aumentando constantemente  a quantidade de idosos e a taxa de natalidade vem diminuindo o que acaba envelhecendo a população.

Brasil, Peru e outros paises da américa, conseguem enviar os nisseis e sanseis para trabalhar, ter residência no Japão, mas para o yonsei tem sido dificil conseguir. Portanto estão querendo criar um sistema para que o yonsei possa ter o visto de trabalho e não apenas de estudo ou acompnhando os pais como é atualmente, e ainda discutir expansoes sobre isso.

Hoje o mercado de trabalho no Japão ainda consegue colocar pessoas de até 70 anos para trabalhar, e esta proposta solicita que as vagas disponiveis seja tambem para pessoas acima de 71 anos de idade e que tenha boa saúde, e ainda que o Certificado de Elegibilidade (zairyushikaku nintei shomeisho), seja expandido para mais setores tudo para que tenha mais pessoas produzindo no Japão.

by Daisuke Hirabayashi
Asahi Shimbun
Link original da matéria: http://www.asahi.com/articles/ASK5C5GVQK5CULFA01V.html

NISSEI – filho de japonês
SANSEI – neto de japonês
YONSEI – bisneto de japonês

yonsei.fw

TÓQUIO- (parlamento japonês) O primeiro-ministro Shinzo Abe mencionou que quer estudar a possibilidade de conceder o visto para descendentes de japoneses de quarta geração (nikkei Yonsei 日 系4 世), informou a emissora pública japonesa NHK.

Até o prezado momento, o visto tem sido concedido aos descendentes de japoneses de segunda e terceira geração (Sansei). “Quando fui para a América do Sul Eu podia sentir o Nikkei manter essa relação especial com o Japão e acho que devemos responder a esse sentimento positivamente sobre o tipo de apoio a eles e também estudar o a emissão do visto (long term resident) teijuusha 4 geração de nikkey “, disse o premiê japonês.

Abe visitou vários países da América Latina em uma turnê realizada em 2014, na época, ele visitou o México, Trinidad Tobago, Colômbia, Chile e Brasil. No ano passado ele visitou Peru e Argentina e em todos os casos se reuniu com as comunidades nikkeis deste paises.

Fonte:NHK

Consulado japonês reajusta as taxas de emissão de visto a partir de 1 de abril de 2016. O pagamento da taxa de emissão do visto para o Japão, deve ser feito no momento da retirada, em dinheiro, junto ao guichê do Setor de Visto.

Solicitações a partir do dia 01 de abril de 2016.

visto para japao

Visto de uma entrada

Brasileiros e outros

R$ 79,00

Indianos

R$ 22,00

Iranianos

R$ 132,00


Visto de múltiplas entradas

Brasileiros e outros

R$ 158,00

Indianos

R$  22,00

Iranianos

R$ 263,00


Visto de trânsito

Brasileiros e outros

R$  18,00

Indianos

R$    2,00

Iranianos

R$ 132,00

Extensão da Permissão de
Re-entrada

R$ 79,00


Fonte: Consulado do Japão em São Paulo

www.shigoto.com.br

Turistas brasileiros poderão visitar livremente o país durante três anos, com estadia máxima de 30 dias por vez

visto-japones-turismoO Ministério das Relações Exteriores do Japão anunciou a liberação do visto de turismo com múltiplas entradas para brasileiros a partir do próximo dia 15, informou o portal Get News nesta sexta-feira.

Através da nova autorização, os brasileiros interessados em visitar o país poderão emitir um visto com duração de três anos, que permite viajar ao Japão de forma ilimitada. No entanto, o turista poderá ficar no país pelo período máximo de 30 dias por vez.

De acordo com o Ministério, a medida foi adotada com o objetivo de aumentar o número de turistas brasileiros, facilitar as viagens de negócios e fortalecer a economia do país. 
Fonte: Alternativa
shigoto.com.br
visto japones, emprego no japao, turismo e passagem para o japao

japanvisaMuitas agências informam que um casal, um lado descendente e outro não descendente,  deve ter um ano de casado para se pedir o visto para o Japão, não é verdade. O que o consulado pede são provas do relacionamento, para conceder um visto para o Japão.

Se um casal tem mais de um ano de casado, mas tem apenas uma certidão de casamento como prova, certamente o lado que não é descendente terá o seu visto negado. Ao mesmo tempo, se o casal tem um filho de um ano mas nao é casado, imediatamente após o casamento, podem dar entrada no visto normalmente e este terá o visto aplicado sem problema algum, porque nada maior que um filho como prova de um relacionamento do casal.

Abaixo cito algumas provas de casamento possível para que um casal consiga juntar e apresentar ao consulado ou ao seu despachante consular para solicitar o visto.

  • Certidão de nascimento de filhos caso tenha

  • Cartas de namoro (e-mail não serve)

  • Fotos da época de namoro em viagens juntos ou com os familiares

  • Álbum de fotos do casamento do casal, com as famílias reunidas

  • Comprovantes de residência em nome do casal
    contas de luz, conta de banco, cartão de crédito, informes promocionais

  • Remessas em dinheiro do Japão para o Brasil ou vice-versa

  • Contratos de aluguel com firma reconhecida

Essas provas são apenas uma demonstração das provas possíveis, mas tudo que vir em nome do casal no mesmo endereço é possível usar como provas de relacionamento.

Dúvidas, favor entrem em contato
cori@vistojapones.com.br
www.vistojapones.com.br

Cori Passos

Cerca de treze porcento da comunidade nikkei formada por um milhão e meio de pessoas, é de yonsei

Visto de trabalho para o Japão

Os brasileiros desapareceram das fábricas, deixando as vagas para outros estrangeiros do sudeste asiático. Segundo dados do governo, o número de filipinos cresceu 10% e o de vietnamitas, cerca de 40% em todo o Japão.

A comunidade brasileira fez o inverso. Em meia década, encolheu de 313 mil para 190 mil pessoas.

A queda mais acentuada foi registrada em Hamamatsu. A cidade que tinha o maior número de brasileiros, 20 mil, hoje tem a metade.

A maior parte das pessoas voltou para a terra natal. Só que agora, elas querem retornar para o Japão.

Jorge faz parte do grupo de 20 mil brasileiros que foi para o Brasil com os 300 mil ienes oferecidos pelo país na época da crise.

¨Fiquei desempregado, e gastei todo o dinheiro que eu tinha pagando aluguel e todas as despesas, foi indo, foi indo, e não tive mais jeito¨, disse o ex-operário Jorge Massao Sheno.

Por ter recebido a ajuda financeira, Jorge ficou impedido de dar continuidade à história de 20 anos como operário no japão.

No Brasil, ele trabalhou em um estaleiro de pernambuco e como motorista em São Paulo. Diz que vai voltar à vida de operário, agora que conseguiu o visto de retorno para o Japão.

¨Apesar de tudo, eu gosto de lá. Por isso eu falo, eu me arrependo muito de ter pego essa ajuda, de ter voltado, se não já estava lá faz tempo¨.

Muitos colegas preferiram entrar na fila do seikatsu hogo – o auxílio subsistência.

¨Mas eu achei que eu ficando lá, pegando dinheiro do governo, não vai ficar pior? O custo para o governo não sairia maior do que pegar os trezentos mil e voltar?

O retorno dos ajudados com os trezentos mil foi liberado cinco meses atrás. Mas pouca gente, menos de uma dezena, conseguiu embarcar.

¨Você encontra dificuldades na emissão do visto no Brasil, encontra dificuldades na contratação no Japão, então para o pessoal que pegou ajuda, está sendo meio complicado retornar¨, afirma Cori Passos, do shigoto.com.br.

O contrato de um ano é apenas uma das exigências.

O Consulado de São Paulo também pede seis comprovantes de residência, além de fotos de infância e registros de quando o candidato morou no japão.

Grande parte das consultas que o consulado recebe são dos bisnetos de japoneses.

Cerca de treze porcento da comunidade nikkei formada por um milhão e meio de pessoas, é de yonsei.

É um número que cresce, mas eles só podem entrar no Japão se for como dependente dos pais.

¨A quantidade de gente que está procurando é muito grande. E hoje, o cadastro das pessoas que querem viajar ao Japão, a gente vê que o pessoal que é nissei são pessoas tudo acima de 60 anos, e os sanseis estão chegando perto disso. Por isso as fábricas poderiam pensar em contratar yonsei, e tem que liberar isso desde já. Não adianta liberar quando a idade passar¨, diz Cori Passos, do shigoto.com.br.

Grupos no Brasil e Japão vêm se mobilizando para fazer campanha pela liberação do visto para os yonseis.
Fonte: IPC Digital

Ex Dekasseguis que retornaram com a ajuda dos 300 mil, tem que esperar a liberação da imigração japonesa

Brasileiros reclamam da demora para obter o visto de reentrada para o JapãoDesde 15 de outubro, quem recebeu a ajuda de 300 mil ienes para voltar ao Brasil, está autorizado a pegar o visto de reentrada para o japão. Mas as condições têm inibido os candidatos.

Paulo foi um dos 20 mil brasileiros que aceitaram a ajuda do governo japonês na época da crise.

Desempregado, ele recebeu 300 mil para retornar ao Brasil, com uma condição: não entrar no Japão enquanto o governo não permitisse a reentrada dos ¨beneficiados¨ pela ajuda.

¨Eu realmente voltei com a ajuda, na época eu, minha esposa e meu filho. E se Deus quiser, vou voltar sim,¨disse Paulo Sussumu Okama Junior para o JPTV.

¨Nós demos a entrada no visto e três semanas depois, ficamos sabendo que a imigração entrou em contato com a empresa onde a pessoa vai trabalhar. E até agora não tivemos mais nenhuma novidade sobre isso, estamos aguardando,¨revela Cori Passos, que trabalha em uma agência de recrutamento.

Para conseguir a reentrada é necessário apresentar: contrato de trabalho de no mínimo um ano quando for solicitar o visto nos consulados do Japão.

E esse esta sendo o problema da grande maioria que deseja retornar

¨ No Japão, os contratos são renovados a cada dois, três meses para quem já está lá trabalhando,¨alerta Cori Passos.

O programa de ajuda ao retorno atendeu mais de 21 pessoas no total. A maior parte dominada pelos brasileiros, cerca de 20 mil, os peruanos que deram entrada pedindo a ajuda na época da crise não chega a mil.

Cerca de 5.500 saíram de Aichi, outros 4.300 de Shizuoka e pouco mais de mil na época residiam em Mie, Shiga e Gunma.

Uma parte corre agora para conseguir os documentos para a volta ao Japão. Nessa lista de vistos estão também os sanseis, os netos de japoneses.

O brasileiro Bruno Yokoyama Eufrasio morou durante 18 anos no Japão, e foi ao Brasil cinco anos atrás para se casar.

¨Me deu uma vontade, mais uma saudade dos pais que estão no Japão trabalhando, e como me casei, decidimos ir para o Japão e conseguir uma vida melhor para mim e minha esposa.¨

Os planos tiveram que ficar um tempo estagnados.

¨A dificuldade foi mexer com a papelada, autenticar, a maior demora foi eles liberarem o visto, não falaram nada, simplesmente não estavam liberando o visto,¨reclama Bruno. ¨Esperamos cerca de três meses.¨

O cônsul japonês em São Paulo, Noriteru Fukushima, diz que não há nada de anormal na expedição dos vistos para sanseis.

¨Normalmente para pedir visto para o Japão precisa seguir alguns regulamentos, mas isso é comum e com novo regime, estamos trabalhando junto com governo de Tóquio por isso está caminhando.¨

Bruno e sua esposa conseguiram embarcar, e agora dão os primeiros passos para a realização do sonho em Gifu e outros ex dekasseguis querem fazer o mesmo.

¨Voltei por motivo familiar, se não teria ficado lá, porque prefiro lá do que aqui., ¨diz o ex dekassegui, Milton Okino. ¨Vou me segurar até março, para poder voltar pra lá.¨

Segundo analistas, o Japão continua precisando de muita mão de obra para o setor produtivo.
Fonte: IPC Digital

reentry Quem sai do Japão para o Brasil não recebe mais o selo de re entry como antigamente, para retorno ao Japão.

Agora quem sai do Japão recebe apenas um carimbo no passaporte (no formulário de embarque ) com a data de saída e um prazo para retornar que é de um ano o que esta confundindo algumas pessoas porque parece que não tem a autorização para re entrada, inclusive algumas companhias aéreas do Brasil ainda não conseguem entender o novo sistema uma vez que não existe carimbo de visto e nem de re entry no passaporte do viajante. Muitas vezes o próprio viajante esclarece que o zairyu card e o carimbo com a data de saída dão direito ao retorno e o atendente acaba acatando a explicação. Digitalizado em 04-01-2013 19-57

Neste novo sistema de retorno muitas vezes é exigida pela imigração japonesa uma copia da certidão de nascimento com uma tradução simples para o japonês para ser apresentada.

Existe algumas diferenças para quem tem visto normal, teijyusha e para quem tem o visto permanente , eijyusha. Em breve explicarei aqui tambem.

Att: Cori Passos
cori@vistojapones.com.br

www.shigoto.com.brvisto
japones, emprego no japao, turismo e passagem para o Japão

 

IMG_20121223_202528

Categorias

twitter.com/vistojapones

outubro 2017
S T Q Q S S D
« set    
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031