consulado do brasilOs Consulados Brasileiros prestam diversos tipos de assistência aos brasileiros que se encontram no exterior como localização de brasileiros desaparecidos, acompanhamento de denegação de entrada em outros países, auxílio a enfermos e desvalidos, orientação jurídica e assistência humanitária a presos, entre outros. Há, contudo, alguns limites na atuação dos Consulados, seja por não haver previsão legal para determinadas atividades, ou pela existência de questões que escapam à competência do Ministério das Relações Exteriores.  Confira a lista completa abaixo:

O Consulado não pode:

• Emitir documentos em desacordo com a legislação brasileira;
• Interferir em pedidos de visto para brasileiros ou denegação de entrada em países estrangeiros;
• Arcar com despesas médicas, hospitalares, judiciais ou quaisquer outras, ainda que emergenciais;
• Arcar com despesas de sepultamento, cremação, embalsamamento e transporte de restos mortais para o Brasil;
• Assumir qualquer compromisso ou se responsabilizar por contratos, dívidas ou despesas de brasileiros.
• Fazer reservas de hotel,compra de passagens, aluguel de veículos, armazenar bagagens;
• Interferir em questões de direito privado, como direitos do consumidor ou questões familiares;
• Emitir Carteira de Identidade (competência das Secretarias de Segurança Pública dos Estados), Registro Nacional de Estrangeiro (Polícia Federal), e Carteira Nacional de Habilitação (Detrans dos Estados ou Denatran). Esses documentos somente podem ser solicitados no Brasil;
• Emitir atestado de boa saúde;
• Receber inscrições para concursos públicos;
• Ser parte ou procurador em processos imigratórios ou judiciais envolvendo cidadãos brasileiros;
• Representar brasileiro perante a Justiça estrangeira;
• Receber pagamentos de impostos (como IRPF), taxas, tributos de recolhimento federal, estadual ou municipal (deverão ser efetuados em território nacional, pessoalmente ou por procurador);
• Legalizar papéis emitidos fora de sua jurisdição;
• Alterar dados de qualificação civil (exceto quando a pessoa apresenta certidão brasileira de casamento, para mudança de sobrenome) ou homologar divórcio (feito somente no Brasil, perante o Superior Tribunal de Justiça);
• Atestar teor de documentos, como diplomas (o Consulado-Geral tão somente reconhece a firma ou autenticidade);
• Contratar advogados para a assistência jurídica do preso.
• Repatriar, em casos que não se enquadrem nos critérios estabelecidos pelo regulamento consular;
• Repatriar mais de uma vez o mesmo cidadão brasileiro;
• Custear acomodação e obter trabalho ou autorização de trabalho;
• Oferecer abrigo em suas dependências em casos de catástrofes naturais, atentados e conflitos armados
• Emitir atestado de bons antecedentes (pode ser retirado pessoalmente no Brasil, pela Internet – ver item Antecedentes Criminais – ou por procuração, com a Polícia Federal ou Secretarias de Segurança Pública dos Estados);
Fonte: IPC Digital com Consulado Geral do Brasil em Nagoya

Novo cartão tem agora duas caixas de seleção

Novo-Cartao-de-embarqueO Ministério da Justiça do Japão informou que a partir de julho deste ano vai mudar o cartão de embarque e desembarque que os residentes estrangeiros devem preencher nos portos e aeroportos do país.

Segundo um comunicado do Escritório da Imigração, o novo sistema quer evitar que os residentes estrangeiros omitam a declaração de reentrada com licença especial quando saem do Japão.

Assim, o novo cartão de embarque/desembarque agora tem duas caixas de seleção. Um com uma seta para indicar se a saída do país é feita com permissão de reentrada e outra quando feito com a reentrada especial permissão.

Imigração explicou que a “permissão de reentrada especial” é para os estrangeiros que possuem um passaporte válido ou green card ou certificado de residente permanente especial, permitindo-lhes voltar ao Japão dentro de um ano (ou 2 anos se você tem especial) sem necessidade de obter, em princípio, uma permissão de reentrada.

O Gabinete observou que estão considerados neste sistema os estrangeiros com visto diplomático estrangeiro ou visto para atividades específicas. Também foi lembrado que, se a validade do visto de residência é inferior a um ano a partir da saída do Japão, o candidato deverá retornar ao país antes do término desse tempo.

Imigração lembrou que aqueles que deixam o Japão com a “permissão de reentrada especial” não poderão estender a sua validade externa. Eles têm que retornar ao país ou perderão seu visto de residência ou seu status de residente permanente especial

Pontos de Informações
Centro de Informações Geral para Residentes Estrangeiros (Dias úteis: das 8h30min às 17h15min)

0570-013904 (De telefone IP, PHS, ou do exterior: 03-5796-7112)

Ou informe-se diretamente no Escritório de Imigração Regional mais próximo.
Fonte: IPC Digital

japanvisaMuitas agências informam que um casal, um lado descendente e outro não descendente,  deve ter um ano de casado para se pedir o visto para o Japão, não é verdade. O que o consulado pede são provas do relacionamento, para conceder um visto para o Japão.

Se um casal tem mais de um ano de casado, mas tem apenas uma certidão de casamento como prova, certamente o lado que não é descendente terá o seu visto negado. Ao mesmo tempo, se o casal tem um filho de um ano mas nao é casado, imediatamente após o casamento, podem dar entrada no visto normalmente e este terá o visto aplicado sem problema algum, porque nada maior que um filho como prova de um relacionamento do casal.

Abaixo cito algumas provas de casamento possível para que um casal consiga juntar e apresentar ao consulado ou ao seu despachante consular para solicitar o visto.

  • Certidão de nascimento de filhos caso tenha

  • Cartas de namoro (e-mail não serve)

  • Fotos da época de namoro em viagens juntos ou com os familiares

  • Álbum de fotos do casamento do casal, com as famílias reunidas

  • Comprovantes de residência em nome do casal
    contas de luz, conta de banco, cartão de crédito, informes promocionais

  • Remessas em dinheiro do Japão para o Brasil ou vice-versa

  • Contratos de aluguel com firma reconhecida

Essas provas são apenas uma demonstração das provas possíveis, mas tudo que vir em nome do casal no mesmo endereço é possível usar como provas de relacionamento.

Dúvidas, favor entrem em contato
cori@vistojapones.com.br
www.vistojapones.com.br

Cori Passos

Cerca de treze porcento da comunidade nikkei formada por um milhão e meio de pessoas, é de yonsei

Visto de trabalho para o Japão

Os brasileiros desapareceram das fábricas, deixando as vagas para outros estrangeiros do sudeste asiático. Segundo dados do governo, o número de filipinos cresceu 10% e o de vietnamitas, cerca de 40% em todo o Japão.

A comunidade brasileira fez o inverso. Em meia década, encolheu de 313 mil para 190 mil pessoas.

A queda mais acentuada foi registrada em Hamamatsu. A cidade que tinha o maior número de brasileiros, 20 mil, hoje tem a metade.

A maior parte das pessoas voltou para a terra natal. Só que agora, elas querem retornar para o Japão.

Jorge faz parte do grupo de 20 mil brasileiros que foi para o Brasil com os 300 mil ienes oferecidos pelo país na época da crise.

¨Fiquei desempregado, e gastei todo o dinheiro que eu tinha pagando aluguel e todas as despesas, foi indo, foi indo, e não tive mais jeito¨, disse o ex-operário Jorge Massao Sheno.

Por ter recebido a ajuda financeira, Jorge ficou impedido de dar continuidade à história de 20 anos como operário no japão.

No Brasil, ele trabalhou em um estaleiro de pernambuco e como motorista em São Paulo. Diz que vai voltar à vida de operário, agora que conseguiu o visto de retorno para o Japão.

¨Apesar de tudo, eu gosto de lá. Por isso eu falo, eu me arrependo muito de ter pego essa ajuda, de ter voltado, se não já estava lá faz tempo¨.

Muitos colegas preferiram entrar na fila do seikatsu hogo – o auxílio subsistência.

¨Mas eu achei que eu ficando lá, pegando dinheiro do governo, não vai ficar pior? O custo para o governo não sairia maior do que pegar os trezentos mil e voltar?

O retorno dos ajudados com os trezentos mil foi liberado cinco meses atrás. Mas pouca gente, menos de uma dezena, conseguiu embarcar.

¨Você encontra dificuldades na emissão do visto no Brasil, encontra dificuldades na contratação no Japão, então para o pessoal que pegou ajuda, está sendo meio complicado retornar¨, afirma Cori Passos, do shigoto.com.br.

O contrato de um ano é apenas uma das exigências.

O Consulado de São Paulo também pede seis comprovantes de residência, além de fotos de infância e registros de quando o candidato morou no japão.

Grande parte das consultas que o consulado recebe são dos bisnetos de japoneses.

Cerca de treze porcento da comunidade nikkei formada por um milhão e meio de pessoas, é de yonsei.

É um número que cresce, mas eles só podem entrar no Japão se for como dependente dos pais.

¨A quantidade de gente que está procurando é muito grande. E hoje, o cadastro das pessoas que querem viajar ao Japão, a gente vê que o pessoal que é nissei são pessoas tudo acima de 60 anos, e os sanseis estão chegando perto disso. Por isso as fábricas poderiam pensar em contratar yonsei, e tem que liberar isso desde já. Não adianta liberar quando a idade passar¨, diz Cori Passos, do shigoto.com.br.

Grupos no Brasil e Japão vêm se mobilizando para fazer campanha pela liberação do visto para os yonseis.
Fonte: IPC Digital

petitionsitecadastroEstamos fazendo um cadastro para saber a quantidade de yonsei que tem no Brasil e fazer uma campanha sobre a liberação do visto de longa permanencia para que estas pessoas de quarta geraão, que tambem sao descendentes de japoneses, possam tirar o visto  “long term resident” aqui no Brasil e ter o memso direito de poder trabalhar no Japão com os conjuges, se voce é nissei, sansei, issei, cadastre-se, VOTE, abaixo esta o pequeno formulário. cadastre-se.

Leia campanha completa no blog 2RON

Polícia de Nagoya acredita que o acusado produziu pelo menos 200 documentos falsos desde dezembro de 2012

Zairyu CardUm chinês de 35 anos foi preso em Nagoya (Aichi) nesta segunda-feira sob acusação de falsificar e vender Zairyu Card, o cartão de identificação de estrangeiros residentes no Japão. Outros dois chineses, um homem e uma mulher, também foram presos por comprar esses documentos falsos, informou o jornal Chunichi.

A polícia acredita que o chinês vendeu pelo menos 200 documentos falsos desde dezembro de 2012. Na residência dele, foram apreendidos um computador e uma impressora, além de hologramas idênticos aos cartões verdadeiros.

Esta é a primeira vez no Japão que a polícia prende um falsificador de Zairyu Card. Até agora, os documentos eram feitos na China e vendidos no arquipélago através de intermediadores.

A venda era feita através da internet. O acusado recebia pedidos através de mensagens, geralmente de chineses ilegais ou que estão no Japão como estagiários, com visto de curta duração. Cada cartão custava de ¥20 mil a ¥30 mil.
Fonte: Alternativa

Ex Dekasseguis que retornaram com a ajuda dos 300 mil, tem que esperar a liberação da imigração japonesa

Brasileiros reclamam da demora para obter o visto de reentrada para o JapãoDesde 15 de outubro, quem recebeu a ajuda de 300 mil ienes para voltar ao Brasil, está autorizado a pegar o visto de reentrada para o japão. Mas as condições têm inibido os candidatos.

Paulo foi um dos 20 mil brasileiros que aceitaram a ajuda do governo japonês na época da crise.

Desempregado, ele recebeu 300 mil para retornar ao Brasil, com uma condição: não entrar no Japão enquanto o governo não permitisse a reentrada dos ¨beneficiados¨ pela ajuda.

¨Eu realmente voltei com a ajuda, na época eu, minha esposa e meu filho. E se Deus quiser, vou voltar sim,¨disse Paulo Sussumu Okama Junior para o JPTV.

¨Nós demos a entrada no visto e três semanas depois, ficamos sabendo que a imigração entrou em contato com a empresa onde a pessoa vai trabalhar. E até agora não tivemos mais nenhuma novidade sobre isso, estamos aguardando,¨revela Cori Passos, que trabalha em uma agência de recrutamento.

Para conseguir a reentrada é necessário apresentar: contrato de trabalho de no mínimo um ano quando for solicitar o visto nos consulados do Japão.

E esse esta sendo o problema da grande maioria que deseja retornar

¨ No Japão, os contratos são renovados a cada dois, três meses para quem já está lá trabalhando,¨alerta Cori Passos.

O programa de ajuda ao retorno atendeu mais de 21 pessoas no total. A maior parte dominada pelos brasileiros, cerca de 20 mil, os peruanos que deram entrada pedindo a ajuda na época da crise não chega a mil.

Cerca de 5.500 saíram de Aichi, outros 4.300 de Shizuoka e pouco mais de mil na época residiam em Mie, Shiga e Gunma.

Uma parte corre agora para conseguir os documentos para a volta ao Japão. Nessa lista de vistos estão também os sanseis, os netos de japoneses.

O brasileiro Bruno Yokoyama Eufrasio morou durante 18 anos no Japão, e foi ao Brasil cinco anos atrás para se casar.

¨Me deu uma vontade, mais uma saudade dos pais que estão no Japão trabalhando, e como me casei, decidimos ir para o Japão e conseguir uma vida melhor para mim e minha esposa.¨

Os planos tiveram que ficar um tempo estagnados.

¨A dificuldade foi mexer com a papelada, autenticar, a maior demora foi eles liberarem o visto, não falaram nada, simplesmente não estavam liberando o visto,¨reclama Bruno. ¨Esperamos cerca de três meses.¨

O cônsul japonês em São Paulo, Noriteru Fukushima, diz que não há nada de anormal na expedição dos vistos para sanseis.

¨Normalmente para pedir visto para o Japão precisa seguir alguns regulamentos, mas isso é comum e com novo regime, estamos trabalhando junto com governo de Tóquio por isso está caminhando.¨

Bruno e sua esposa conseguiram embarcar, e agora dão os primeiros passos para a realização do sonho em Gifu e outros ex dekasseguis querem fazer o mesmo.

¨Voltei por motivo familiar, se não teria ficado lá, porque prefiro lá do que aqui., ¨diz o ex dekassegui, Milton Okino. ¨Vou me segurar até março, para poder voltar pra lá.¨

Segundo analistas, o Japão continua precisando de muita mão de obra para o setor produtivo.
Fonte: IPC Digital

01/01/2014 (quarta-feira) Feriado de começo de ano

02/01/2014 (quinta-feira) Feriado de começo de ano

03/01/2014 (sexta-feira) Feriado de começo de ano

03/03/2014 (segunda-feira) Carnaval

04/03/2014 (terça-feira) Carnaval

18/04/2014 (sexta-feira) Paixão de Cristo

21/04/2014 (segunda-feira) Tiradentes

01/05/2014 (quinta-feira) Dia do Trabalho

12/06/2014 (quinta-feira) Copa do Mundo

17/06/2014 (terça-feira) Copa do Mundo

19/06/2014 (quinta-feira) Corpus Christi

23/06/2014 (segunda-feira) Copa do Mundo

09/07/2014 (quarta-feira) Dia da Revolução Constitucionalista

15/09/2014 (segunda-feira) Dia do Respeito ao Idoso

03/11/2014 (segunda-feira) Dia da Cultura

20/11/2014 (quinta-feira) Dia da Consciência Negra

24/12/2014 (quarta-feira) Véspera de Natal

25/12/2014 (quinta-feira) Natal

29/12/2014 (segunda-feira) Feriado de fim de ano

30/12/2014 (terça-feira) Feriado de fim de ano

31/12/2014 (quarta-feira) Feriado de fim de ano

O Consulado Geral do Japão em São Paulo estará fechado nos dias abaixo:

25 de dezembro de 2013

30 de dez 2013 a 03 de janeiro 2014

Natal

Recesso

Devido ao recesso de final de ano, o Setor de Visto seguirá o calendário abaixo com o intuito de evitar imprevistos como roubos ou perdas de passaportes.

  • 24/12/2013(Ter): somente retirada de visto
  • 26/12/2013(Qui) ~ 27/12/2013(Sex): atendimento somente para casos de urgência
  • Atendimento no horário normal a partir do dia 06/01/2014 (segunda-feira)

Comunicado sobre alteração do horário de atendimento do Consulado do Japão em São PauloComunicado sobre alteração do horário de atendimento

O Consulado do Japão em São Paulo comunica que a partir do dia 18 de novembro (segunda-feira), o horário de atendimento para solicitações de visto será alterado.

Solicitação de visto (particular)
Segunda, quarta e sexta-feira (exceto feriados locais e especiais): das 9:00 às 12:00
(Terça e quinta-feira, atendimento somente de agências cadastradas)

Não haverá alteração no horário de retirada de passaporte.
Segunda à sexta-feira: das 14:00 às 16:00

Mais informações: Tel.: (11) 3254-0100

Visto para o Japao

Shigoto.com.br

Largo Sete de Setembro, 52
sala 1102 - Liberdade
São Paulo -SP
11 3101-8193
atendimento@shigoto.com.br

agosto 2014
S T Q Q S S D
« jul    
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031

twitter.com/vistojapones

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.