You are currently browsing the category archive for the ‘Visto para Yonsei’ category.

visa yonsei
O Jornal de maior tiragem do mundo, o Yomiuri Shinbun, com sede em Tóquio, noticiou no dia 31 de julho último, que o Ministério da Justiça do Japão definiu as regras básicas para concessão de vistos de permanência e trabalho aos nikkeis da quarta geração, os “yonseis”.

As regras são surpreendentemente muito mais rígidas que as anunciadas pelo deputado federal Mikio Shimoji do Partido de Renovação do Japão (Nihon Ishin no Kai) em São Paulo no dia 21 de julho último, na sede do Bunkyo (Associação Cultural Brasil Japão).

Ao contrário do que disse o deputado Mikio em São Paulo, o descendente de japonês da quarta-geração não poderá levar o seu cônjuge não-nikkei, nem os seus filhos ao Japão. Haverá uma restrição da faixa etária, pois os vistos só serão concedidos a yonseis de 18 a 30 anos de idade.

Além disso, o nikkei da quarta-geração terá que ser aprovado em um teste de proficiência da língua japonesa, equivalente ao N4 (yon-kyu) da Avaliação da Proficiência da Língua Japonesa (Nihongo Kentei). O Nível 4 do Nihongo Kentei equivale a capacidade de manter uma conversação básica e simples da língua japonesa para o dia-a-dia.

Para requerer a renovação do visto, ele terá que ser aprovado em um teste de N3 (san-kyu) da Proficiência da Língua Japonesa, que já requer uma capacidade de expressão mais complexa para a conversação utilizada no cotidiano.

O visto terá o status de “atividades especiais” (Tokutei Katsudou) e permitirá ao portador do visto, trabalhar no Japão sem restrições de número de horas por semana ou tipo de serviço.

A princípio, o Ministério da Justiça definiu o número de concessão de vistos a 1.000 (um mil) por ano. O governo vai abrir as regras gerais que definiu para “comentários públicos” (public comment) e só então definirá a forma final do texto do novo sistema.

Atualmente, o yonsei só tem visto garantido para permanência no Japão enquanto for dependente dos seus pais que estiverem com visto de permanência no Japão.

A Comunidade Nikkei, que havia alimentado as melhores expectativas após a palestra proferida pelo Deputado Federal Mikio Shimoji, que viajou ao Brasil especificamente para este fim, e pedir uma estreita colaboração da comunidade japonesa no Brasil para ajudar a resolver o grave problema de escassez de mão de obra no Japão, não consegue esconder o desapontamento com a notícia da definição do novo sistema de concessão de vistos para os nikkeis de quarta-geração, por demais diferentes do que foi prometido pelo Deputado Shimoji.

Muitos yonseis que esperavam poder vir ao Japão trabalhar, ainda este ano, frente as grandes dificuldades político-econômicas pelos quais o Brasil está passando, vai ter que esperar para ver o resultado da fase de comentários públicos ao novo sistema.
Fonte: IPC Digital

Anúncios

Visto para quarta geração de descendentes, a solução está próxima?
Visto-Yonsei

O visto para yonsei será o tema mais importante que definirá as relações entre o Brasil e o Japão nos próximos 50 anos. Em junho de 1990, o Departamento da Justiça do Japão modificou a Lei de Controle de Imigração, facilitando assim as condições de residência dos nissei e sansei.

Contudo, ainda há um problema a ser resolvido: o visto para yonsei. Mesmo os yonseis que estudaram em escolas japonesas e tiveram uma vida igual a de um japonês enfrentam o problema da possibilidade de perder o visto de residência quando atingem a maioridade.

Autoridades do Ministério das Relações Exteriores do Japão haviam explicado previamente que “caso as gerações de yonsei ou posteriores realizem os procedimentos adequadamente, eles poderão continuar vivendo no Japão”. Porém, segundo as empreiteiras e os próprios yonsei, a situação não é bem assim.

Por exemplo, há casos em que é necessário a aprovação dos pais para a atualização do visto de permanência no Japão. Entretanto, caso haja o afastamento dos pais devido a certas circunstâncias como brigas familiares, prisão ou falecimento do (a) pai (mãe) ou de ambos, há a possibilidade do visto não ser atualizado por causa da ausência da aprovação dos pais. Será que não seria necessária alguma medida para ajudar o problema familiar nessas situações?

Além disso, as gerações nascidas e criadas no Japão acabaram crescendo no país com a mentalidade de um japonês, mesmo com a diferença de nacionalidade. Há casos em que é muito difícil para o “maior de idade” voltar para sua “pátria amada”. Mas será que não era melhor ter alguma forma de ajuda aos yonseis que voltaram para seu país de origem e não estão mais dentro do período de readmissão?

Em relação a esses problemas, a Working Holiday pode ajudar um pouco a situação dos yonseis. O divisor de águas do problema do visto para yonsei foi o “Relatório de Reunião Social de Peritos sobre a Cooperação com a Sociedade Nikkei na América Central e do Sul”, apresentada em 9/mar. O relatório apresenta diretrizes nunca antes discutidas.

Nos próximos 50 anos, os pilares do intercâmbio cultural entre o Japão e o Brasil serão, sem dúvidas, os sansei e yonsei. Se estas gerações criadas no Japão servirem de “ponte”, podemos esperar um intercâmbio cultural nunca antes visto. No próximo ano, em que se comemorará 110 anos de imigração, poderá ser o último projeto de comemoração para as gerações convencionais.

A partir do 120º ano de comemoração, o foco principal poderá se voltar aos “novos nikkei” criados no Japão. Os próximos 10 anos serão importantes como “período de troca”.

Todavia, apenas vagas de empregos em fábricas podem gerar uma repulsa pelo Japão. É necessária a elaboração de novas medidas que impeçam os yonsei acabarem “odiando” o Japão.

Na “Proposta voltada à Construção da Sociedade Ativa dos 100 milhões”, publicada em 10/mar por grupos do Partido Liberal Democrata do Japão, estão escritas propostas bem concretas como as seguintes:

“(1) – Antes do estágio de aceitação dos yonsei no Japão, será estipulada a manutenção de um ambiente de educação da língua e cultura japonesa no país atual.

(2) – Será estabelecido um sistema tal como o ‘novo Working Holiday’ para os yonsei aprenderam a língua e a cultura japonesa. Por exemplo, o aprendizado da língua japonesa por 2 anos sem a restrição de horários de trabalho será uma obrigação, e os governos locais ou a própria região deverão fornecer um ambiente favorável.

(3) – Em relação ao status de residência futura dos yonsei, sob o ‘novo Working Holiday’, serão abertas discussões enquanto ocorrerá a confirmação do estado de implementação.”

Analisando estas observações, o que está sendo discutido é uma estada temporária de 2 anos e não a liberação de vistos especiais, que poderão se tornar vistos permanentes futuramente.

Na noite de sexta-feira à noite (Brasil), ocorreu a sessão de briefing “A comunidade nikkei e o novo papel da quarta geração” de Mikio Shimoji, membro da Casa dos Representantes.Os assuntos acima foram discutidos, e foi anunciado medidas sólidas para liberação do visto ainda em 2017. Iremos publicar uma nova matéria em breve com os detalhes e o resultado final.

A live foi transmitida no Facebook, veja abaixo:

Fonte: Portal Mie com Nikkey Shimbun

Sabia que em alguns os casos descendentes de japonês de quarta geração (yonsei) podem subir uma geração e se tornar terceira (sansei)?

SANSEI OU YONSEI

Existe muita especulação em cima da liberação do visto de longa permanencia para quem é descendente de japonês de quarta geração, porém existem casos em que este descendente mesmo sendo (yonsei)  se torna sansei, ou seja, elegível ao tão sonhado visto de trabalho no Japão, mas não existe quase nenhuma informação sobre isso.

  • A primeira possibilidade é para quem tem os avôs que nasceram no Brasil até novembro de 1925 sendo filho de japonês nato pode pedir ao consulado para “subir uma geração”. (explicarei detalhes em outro post)

  • A segunda posssibilidade é quem tem o avô ou avó que mesmo sendo nascido no Brasil depois da data acima, mas que tenha sido registrado no Consulado do Japão no Brasil até três meses após o nascimento, pode ser considerado sansei, por que? Porque todo filho de japonês nascido no brasil e registrado no consulado até três meses após o nascimento se torna dupla nacionallidade, fazendo com que o yonsei se torne, sansei.

Claro que para se conseguir transformar a sua geração em sansei tem que começar a mexer em documentos e isso gera custos, por isso, se informe primeiro antes de sair gastanto dinheiro sem garantias de resultado positivo.

Boa sorte

Cori Passos
cori@vistojapones.com.br

WP_20170401_09_25_49_Pro (2)

O partido liberal democratico através do Sr. Jiro Kawasaki ex-ministro do trabalho e saúde, que atualmente lida no setor de incentivo de mão de obra no Japão, entregou ao Sr. Kato Katsunobu, atual ministro do trabalho japonês, uma proposta para que o yonsei (descendentes de quarta geração) possa ter a oportunidade de trabalhar no Japão bem como a expansão das oportunidades de emprego para os idosos. O Japão esta aumentando constantemente  a quantidade de idosos e a taxa de natalidade vem diminuindo o que acaba envelhecendo a população.

Brasil, Peru e outros paises da américa, conseguem enviar os nisseis e sanseis para trabalhar, ter residência no Japão, mas para o yonsei tem sido dificil conseguir. Portanto estão querendo criar um sistema para que o yonsei possa ter o visto de trabalho e não apenas de estudo ou acompnhando os pais como é atualmente, e ainda discutir expansoes sobre isso.

Hoje o mercado de trabalho no Japão ainda consegue colocar pessoas de até 70 anos para trabalhar, e esta proposta solicita que as vagas disponiveis seja tambem para pessoas acima de 71 anos de idade e que tenha boa saúde, e ainda que o Certificado de Elegibilidade (zairyushikaku nintei shomeisho), seja expandido para mais setores tudo para que tenha mais pessoas produzindo no Japão.

by Daisuke Hirabayashi
Asahi Shimbun
Link original da matéria: http://www.asahi.com/articles/ASK5C5GVQK5CULFA01V.html

NISSEI – filho de japonês
SANSEI – neto de japonês
YONSEI – bisneto de japonês

yonsei.fw

TÓQUIO- (parlamento japonês) O primeiro-ministro Shinzo Abe mencionou que quer estudar a possibilidade de conceder o visto para descendentes de japoneses de quarta geração (nikkei Yonsei 日 系4 世), informou a emissora pública japonesa NHK.

Até o prezado momento, o visto tem sido concedido aos descendentes de japoneses de segunda e terceira geração (Sansei). “Quando fui para a América do Sul Eu podia sentir o Nikkei manter essa relação especial com o Japão e acho que devemos responder a esse sentimento positivamente sobre o tipo de apoio a eles e também estudar o a emissão do visto (long term resident) teijuusha 4 geração de nikkey “, disse o premiê japonês.

Abe visitou vários países da América Latina em uma turnê realizada em 2014, na época, ele visitou o México, Trinidad Tobago, Colômbia, Chile e Brasil. No ano passado ele visitou Peru e Argentina e em todos os casos se reuniu com as comunidades nikkeis deste paises.

Fonte:NHK

Será que o governo japonês irá liberar o visto para yonsei (descendentes de quarta geração)?

visto-para-yonseiCom o aumento no fluxo de brasileiros retornando ao Japão em 2015, um assunto polêmico voltou à tona: os descendentes de quarta geração (yonsei) poderão ter visto de permanência liberado?

Nas últimas semanas, temos recebido muitas mensagens de brasileiros que são descendentes de japoneses em 4º geração (yonsei) sobre a liberação do visto de permanência. Campanhas e petições estão sendo registradas, mas nenhuma sinalização positiva foi dada até o momento por parte do governo japonês.

Atual situação do visto para yonsei (quarta geração de descendentes)
Na atual lei de imigração, o visto de trabalho para descendentes de japoneses, só é liberado até a 3º geração (sansei). Os filhos de sanseis podem ter visto enquanto são menores de idade. Uma nova medida parece que foi implantada, e para pessoas maiores que 16 anos o visto não será liberado, apenas para crianças em idade de ensino fundamental. Mas os yonseis que completam a maioridade aqui no Japão, podem ter o visto de trabalho e renovar normalmente, mas caso retornarem ao Brasil e o visto vencer, não poderão voltar ao Japão a trabalho.

cori-passos-shigoto.comCampanha para liberação de vistos para Yonsei
Cori Passos, responsável da agência Shigoto.com, está a frente de uma campanha que visa a liberação de visto para yonseis. Em uma notícia no site da empresa há informações sobre a campanha. E no Facebook há um grupo para divulgação da campanha.

Segundo Passos, uma forma de todos colaborarem é através do cadastro em relação à liberação do visto e na própria petição online:

No cadastro, mesmo pessoas contra a liberação estão se cadastrando e explicando seus motivos.

Segundo Passos, o resultado da campanha está melhor que o esperado. Muitos cadastros e apoio à petição. “Mas peço aos interessados que divulguem. Muitas pessoas que esperam apenas a liberação não estão ajudando com divulgação, mas há pessoas que estão super empolgadas e divulgam em suas redes, e isso tem dado o que falar, principalmente pelos meios de comunicação!”

Os interessados devem se conectar com estas redes e contatos e aguardar os resultados, ainda sem previsão.

liberação visto yonsei
Yonseis no Brasil estão querendo vir ao Japão
Muitos descendentes de quarta geração que estão no Brasil aguardam ansiosamente a liberação do visto de permanência para yonsei. Segundo algumas pessoas que conversamos, elas aguardam o resultado de uma petição que teria sido protocolada com previsão de resultado para 2016.

familia-yonsei-brasileiraA brasileira Yuri Aoyama é descendente de quarta geração (yonsei) e está aguardando com ansiedade uma possível liberação do visto. “Se o visto for liberado eu e minha família iremos o mais rápido possível para o Japão. Sempre admirei a cultura japonesa, costumes e idioma. Eu já fiz até um curso de nihongo com meu marido. Pretendo trabalhar e colaborar com o crescimento do Japão e poder dar uma educação melhor para meus filhos. Meus avós na verdade são japoneses mas não puderam ser registrados no Japão por causa da guerra.”

Eiji Abe, de 27 anos, também é yonsei, e reside atualmente em Goiás. Ele nunca veio ao Japão, mas sua família teve oportunidade de vir ao país e conseguiram juntar recursos para abrir um negócio próprio no Brasil.

“Eu gostaria muito de ter a mesma experiência que meus pais, pois além de poder estar no Japão trabalhando, é uma experiência de vida incrível. Admiro muito a cultura dos meus antepassados, sua organização e educação e vejo como o governo beneficia o povo. Tenho uma visão maravilhosa de um país com uma infraestrutura avançada.”

eiji yonseiE Eiji completa: “Se o visto para yonsei for liberado, embarcaria imediatamente. Sou mestiço, não tenho aparência de descendente, mas faria tudo para ir.”

William Zaiki, de 43 anos, é pai solteiro e descendente de japoneses de quarta geração. Mora em São Paulo (capital). Ele já residiu no Japão, quando menor de idade. Enquanto estava no Japão tinha seu visto normalmente de 3 anos, e morou em Shizuoka e Aichi. Hoje está no Brasil, mas impossibilitado de voltar por não conseguir obter o visto de trabalho.

“Hoje estou buscando estabilidade. Quem tem filhos entende o que digo. No Japão sei que terei uma qualidade de vida melhor, mais segurança em todos os aspectos. Sei que minha vida seria bem melhor no Japão.” Afirmou William. E sobre a campanha que está sendo feita pela liberação do visto, ele vê que está se desenvolvendo de forma positiva.

“Temos uma campanha no Brasil com a comunidade Nipo brasileira e no Japão, onde fiz a divulgação da campanha entre amigos por meio da internet, grupos e comunidades onde postamos variadas informações. Aos poucos foi-se espalhando de forma positiva com várias pessoas aderindo à ideia, assinando e divulgando, o que é muito importante para nós. Temos em posse do nosso amigo Cori Passos da agência Shigoto.com mais de 7 mil assinaturas a favor do visto, além de outra petição em andamento com uma meta de 50.000 pessoas nos apoiando (até o momento há 790 pessoas, mas o número continua aumentando). Graças a Deus o objetivo flui muito bem a nosso favor.” disse William.
Fonte: Portal Mie

Cerca de treze porcento da comunidade nikkei formada por um milhão e meio de pessoas, é de yonsei

Visto de trabalho para o Japão

Os brasileiros desapareceram das fábricas, deixando as vagas para outros estrangeiros do sudeste asiático. Segundo dados do governo, o número de filipinos cresceu 10% e o de vietnamitas, cerca de 40% em todo o Japão.

A comunidade brasileira fez o inverso. Em meia década, encolheu de 313 mil para 190 mil pessoas.

A queda mais acentuada foi registrada em Hamamatsu. A cidade que tinha o maior número de brasileiros, 20 mil, hoje tem a metade.

A maior parte das pessoas voltou para a terra natal. Só que agora, elas querem retornar para o Japão.

Jorge faz parte do grupo de 20 mil brasileiros que foi para o Brasil com os 300 mil ienes oferecidos pelo país na época da crise.

¨Fiquei desempregado, e gastei todo o dinheiro que eu tinha pagando aluguel e todas as despesas, foi indo, foi indo, e não tive mais jeito¨, disse o ex-operário Jorge Massao Sheno.

Por ter recebido a ajuda financeira, Jorge ficou impedido de dar continuidade à história de 20 anos como operário no japão.

No Brasil, ele trabalhou em um estaleiro de pernambuco e como motorista em São Paulo. Diz que vai voltar à vida de operário, agora que conseguiu o visto de retorno para o Japão.

¨Apesar de tudo, eu gosto de lá. Por isso eu falo, eu me arrependo muito de ter pego essa ajuda, de ter voltado, se não já estava lá faz tempo¨.

Muitos colegas preferiram entrar na fila do seikatsu hogo – o auxílio subsistência.

¨Mas eu achei que eu ficando lá, pegando dinheiro do governo, não vai ficar pior? O custo para o governo não sairia maior do que pegar os trezentos mil e voltar?

O retorno dos ajudados com os trezentos mil foi liberado cinco meses atrás. Mas pouca gente, menos de uma dezena, conseguiu embarcar.

¨Você encontra dificuldades na emissão do visto no Brasil, encontra dificuldades na contratação no Japão, então para o pessoal que pegou ajuda, está sendo meio complicado retornar¨, afirma Cori Passos, do shigoto.com.br.

O contrato de um ano é apenas uma das exigências.

O Consulado de São Paulo também pede seis comprovantes de residência, além de fotos de infância e registros de quando o candidato morou no japão.

Grande parte das consultas que o consulado recebe são dos bisnetos de japoneses.

Cerca de treze porcento da comunidade nikkei formada por um milhão e meio de pessoas, é de yonsei.

É um número que cresce, mas eles só podem entrar no Japão se for como dependente dos pais.

¨A quantidade de gente que está procurando é muito grande. E hoje, o cadastro das pessoas que querem viajar ao Japão, a gente vê que o pessoal que é nissei são pessoas tudo acima de 60 anos, e os sanseis estão chegando perto disso. Por isso as fábricas poderiam pensar em contratar yonsei, e tem que liberar isso desde já. Não adianta liberar quando a idade passar¨, diz Cori Passos, do shigoto.com.br.

Grupos no Brasil e Japão vêm se mobilizando para fazer campanha pela liberação do visto para os yonseis.
Fonte: IPC Digital

petitionsitecadastroEstamos fazendo um cadastro para saber a quantidade de yonsei que tem no Brasil e fazer uma campanha sobre a liberação do visto de longa permanencia para que estas pessoas de quarta geraão, que tambem sao descendentes de japoneses, possam tirar o visto  “long term resident” aqui no Brasil e ter o memso direito de poder trabalhar no Japão com os conjuges, se voce é nissei, sansei, issei, cadastre-se, VOTE, abaixo esta o pequeno formulário. cadastre-se.

Leia campanha completa no blog 2RON

Categorias

twitter.com/vistojapones

outubro 2017
S T Q Q S S D
« set    
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031